Caminhos Distantes



E então eles se olharam, como se nada estivesse acontecido. Como se o passado não interrompesse mais. Deram as mãos e foram caminhando pelo bosque. Por alguns minutos, nenhuma palavra fora pronunciada. Nenhum olhar foi trocado. Apenas as mãos entrelaçadas e os corações batendo forte.
 Tudo começou em uma noite de festa no palácio de Berkena, eles eram herdeiros de seus reinos. Seus pais os haviam dito em algum momento de sua infância, que eles jamais poderiam se apaixonar. Eles, futuros rei e rainha, concordaram.
Anos mais tarde, nas andanças pelo jardim, Arthur avistou de longe uma bela moça, de cabelos longos e negros. Ficara encantado com tamanha formosura, delicadeza e inocência. Mas, não pode ficar próximo da jovem moça. Pois suas obrigações o impediam. Então, fora embora. Subiu em seu cavalo e voltou para o castelo.
 Seu pai, o rei estava muito doente, e temia que seu filho não estivesse preparado para tomar conta de seu reinado. Embora, estivesse vivido todos os seus dias, para isto.  Dias mais tarde, com a morte do rei, o jovem Arthur teve que encarar as suas responsabilidades.
Durante dois anos, ele fora um rei excepcional, conseguia tudo o que desejava. Porém, algo inesperado aconteceu. Ele fora jurado de morte pelo reino vizinho. Arthur, no entanto, não se preocupara com a sua possível morte. Acreditava que fosse um boato, pois ninguém em sã consciência iria se atrever a matar o herdeiro de Berkena. Um mês se passou e, nada aconteceu. Arthur então, teve certeza de sua teoria e continuou com seu reinado glorioso.
Embora Arthur fosse jovem, bem treinado e forte, se coração era bom. Nunca matou um animal, nem se quer um homem, mesmo durante as batalhas. Ele era o que chamavam de “ Coração Valente”. Por ter uma alma pura e um cargo de tamanha responsabilidade, que contradizia  com as suas éticas e morais.
Anos se passaram, e Arthur obteve pleno poder em sua redondeza.
Entretanto, Arthur não estivera satisfeito. Queria mais. Talvez um amor, uma jovem mulher que tivera os meus ideais que ele. Chegou a lembrar-se da tal jovem de cabelos negros que avistara uma vez em seu castelo, quando seu pai ainda era vivo.
Então, Arthur começou a sua busca por uma jovem moça bem dotada que estivesse solteira para casar-se com o rei. Mandou anunciar por todo o reino. Mais, não obteve sucesso. As jovens que lhe prometiam, não lhe chamavam atenção, eram bonitas, mais não era ela. A tal jovem de anos atrás.
Os dias foram se passando e Arthur  estava desistindo da ideia de se casar. Conformara-se em ser um jovem rei solitário. Foi então que numa linda tarde, quando ele cavalgava por seu reino, que avisto uma moça. Seus cabelos eram longos, negros e seu rosto tão belo e delicado quanto uma boneca de porcelana.  Arthur foi até a jovem, pediu licença para sentar-se ao seu lado. Eles ficaram a tarde inteira conversando. E ao longo da conversa, perceberam que tinham muito em comum. Ela era filha de um rei falecido. De um reino não muito distante dali.  Tinham praticamente a mesma idade seus ideais eram um pouco parecido com o dele.
Arthur ficou surpreso com a ideia de ter conhecido uma jovem que parecesse com ele. 
Desde então, todos os dias eles se encontravam para conversar. Fizeram isto durante um longo período. Até que um dia, Arthur foi ao encontro da jovem moça e ela não estava lá. Esperou durante horas, e nada. Fora embora desconsolado e preocupado com a moça.
Foi então que chegando perto de seu castelo, avistou uma confusão. Chegando perto, percebeu que a moça com quem conversava, estava em perigo. Sem pensar duas vezes, foi ao seu socorro, a jovem estava em prantos, desesperada. E Arthur não estava entendendo o que acontecia ali. Perguntava, mais ninguém o respondia. Até que um senhor  veio em sua direção. Disse para ele que aquela moça com quem ele conversava, era uma rainha e que eles jamais poderiam ter se conhecido e se apaixonado. Pois seus reinos eram rivais. E ela estava comprometida com outro homem. O senhor foi embora, levando-a a força e Arthur sentia que não poderia fazer nada, pois fora uma promessa de seus falecidos pais que eles jamais se conhecessem.
Entretanto, os dois não deram ouvidos ao senhor, e continuaram encontrando-se as escondidas. Durante um tempo, estava tudo tranquilo. Os dois se apaixonavam cada dia mais e não se importava com as limitações de seus reinos ou com as promessas de suas famílias.
Arthur e a jovem moça foram felizes por um curto período. Pois os reinos entraram em guerra e eles tiveram que se afastar, não só para se protegerem, mas por causa das suas responsabilidades, pois ele como rei e ela como rainha, tinham deveres a cumprirem.
A batalha durou muitos anos e com isso, eles perderam o contato. Depois do fim da guerra, Anabelle achou que Arthur estava morto e casou-se. Teve uma vida razoavelmente boa ao lado de seu esposo, mas não esquecera seu grande amor O rei Arthur.



2 comentários:

  1. Que cabelo lindo que você tem! *-*
    Amei esse texto.. confesso que faltam algumas pontuações, mas ficou otimo!

    beijos,
    http://blogesteffanifontes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir