Vidas e saltos gastos

Foto: Vidas e saltos gastos


-Vem ca moço, não cobro nada caro!
Eu ando pelas ruas divulgando meu trabalho.
-Ei cara, acende meu cigarro!
Não sou mais menininha pra julgarem o que faço.
E o passo que dou, de salto no asfalto,
a vida não é bela, mas eu sei sou eu quem traço.
Então, meu senhor, me pague o que der
Não sei se o complicado aqui é ser puta ou mulher.
E dentro de um carro, ou andando pela rua
Eu faço o que aprendi, completamente nua.
Vendendo o que fizeram comigo na escola,
trocando minha infância por inalação de cola.
E de esmola em esmola aprendi,
A vida não é só essa migalha que vivi
"Você tem muito mais"
Então eu fui buscar, mas nunca tive pais, então onde encontrar?
Vou, então, buscar nos becos da esquina
Tem quem passe a vida inteira lá e diga que é sina
Que sina o que, isso eu não vou falar,
Escarrei na cruz e agora tenho que pagar
E essa é minha vida
E isso é real
Dizem que quantos menos espalhar, menos se torna real.
Que porra é essa então, eu nunca aprendi lendo
Só contando pelo professor que me ensinava me comendo.
E isso é mesmo assim, não te parece bonito
Também não suportaria ler isso ouvindo meus gritos.
O que eu queria nunca consegui, 
Mas ponho a maquiagem e sou bem melhor assim.
É a minha vida,
É o que faço,
Uma mulher tão linda
Bem mais forte que um macho.
E esse o começo de um dia.
-Se não pagar morro de fome, mas tu perde com a vida.

(Marianne Malves)


 -Vem  moço, não cobro nada caro!
Eu ando pelas ruas divulgando meu trabalho.
-Ei cara, acende meu cigarro!
Não sou mais menininha pra julgarem o que faço.
E o passo que dou, de salto no asfalto,
a vida não é bela, mas eu sei sou eu quem traço.
Então, meu senhor, me pague o que der
Não sei se o complicado aqui é ser puta ou mulher.
E dentro de um carro, ou andando pela rua
Eu faço o que aprendi, completamente nua.
Vendendo o que fizeram comigo na escola,
trocando minha infância por inalação de cola.
E de esmola em esmola aprendi,
A vida não é só essa migalha que vivi
"Você tem muito mais"
Então eu fui buscar, mas nunca tive pais, então onde encontrar?
Vou, então, buscar nos becos da esquina
Tem quem passe a vida inteira lá e diga que é sina
Que sina o que, isso eu não vou falar,
Escarrei na cruz e agora tenho que pagar
E essa é minha vida
E isso é real
Dizem que quantos menos espalhar, menos se torna real.
Que porra é essa então, eu nunca aprendi lendo
Só contando pelo professor que me ensinava me comendo.
E isso é mesmo assim, não te parece bonito
Também não suportaria ler isso ouvindo meus gritos.
O que eu queria nunca consegui, 
Mas ponho a maquiagem e sou bem melhor assim.
É a minha vida,
É o que faço,
Uma mulher tão linda
Bem mais forte que um macho.
E esse o começo de um dia.
-Se não pagar morro de fome, mas tu perde com a vida.



Marianne Malves

5 comentários:

  1. achei um tanto melancólico

    Bjs
    http://livrosegostos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Fale sobre uma prostituta sendo feliz Jade Marlla, aff seu blog é ridículo. Amei o texto da Monique Carvalho, quero entrar em contato para publicação de um livro de poemas MELANCÓLICOS LINDOS dessa forma.

    ResponderExcluir
  3. Olá, gente, nada de ofensas ou brigas. Cada um tem a sua opinião ! Amor e paz pessoal. ( Monique Cordeiro, dona do blog) Obrigada pela atenção. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Monique, texto lindo! Amei <3 <3 <3

    ResponderExcluir
  5. Obrigada Anônimo, se quiser entrar em contato comigo, o e-mail está na parte superior do blog. Tenha uma ótima noite.

    ResponderExcluir