Fragmentos do livro "Por dentro da moda"

Pergunto-me se sou eu ou você quem dita a moda. Se não é você que me compele a encurtar, encompridar, alargar, retirar as fivelas, encompridar novamente; chega de vermelho, agora um pouco de amarelo ou azul, e depois vermelho outra vez. Será que não é você quem está lá, você, atrás de mim, para ver se estou descosturando ou reforçando as bainhas, se estou pregando contas, pedrarias e mesmo flores, se não é você que me instiga a apertar a cintura ou descê-la até os quadris, a eliminar as anáguas, a acrescentar babados, a exibir e esconder as costuras, se durante um estação você se deleita com luxo, a suntuosidade, os dourados, e na outra com o desespero (que não é preto, e sim um look); se não é você que me empurra para o lado para atar, arregaçar, abrir ou fechar, deixar cair um lado a fim de espreitar a pele, o lustre da carne, a trama do tecido, esticar as linhas para juntar o tecido, dobrar a musselina para imitar um livro. Se não sou eu que estou no sofá, e você, na cadeira, e tudo isto com muita naturalidade, sem parecer, é você quem dita a moda.


Sonia Rykiel

0 comentários:

Postar um comentário