Um sentimento chamado Saudade

      Sabe quando bate aquela saudade insuportável e você sente aquela vontade se sair correndo para o braço da pessoa, pois é, me sinto exatamente assim e 2 meses e alguns dias. Isso tudo por que morava na Região dos lagos em uma cidade chamada São Pedro da Aldeia, me mudei para lá a uns 5 anos é uma cidade bem pequena, digo que é um ovo, pois todos se conhecem naquele lugar, lá é uma linda cidade bem calma, só tem uma coisa ruim, não tem empregos bons e faltam opções boas de cursos para adolescentes como nós.
Mas, algo de bom ela me trouxe, um rapaz que no começo não tinha gostado muito, pois, tinha achado ele meio chato, mais que depois de umas conversas foi se tornando bem interessante, no início nos só queriamos "ficar de vez em quando" , mais sabe quando você começa a ver demais uma pessoa, e não que mais que ela vá embora. Foi exatamente assim que aconteceu com nós dois, um belo dia nos demos conta de que estavamos mais frequentes do que tinhamos planejado o que o levou a me pedir em "namoro" :) para a minha grande surpresa e felicidade. Bem, isso tudo já está completando UM ANO E 2 MESES. Porém, todo "conto de fadas" tem o seu lado ruim e com agente não poderia ser diferente. Quando estavamos na véspera de completar um ano de namoro, tive que me mudar para o Rio de Janeiro e isso foi um grande sacrifício para nós, não por eu estar em outra cidade, pois já planejávamos vir morar no Rio, por causa de faculdade emprego e outras coisitas mas, só que não com a rapidez que as coisas aconteceram e para nós estpa sendo muito difícil, pois para um casal que se vê todos os dias, dorme junto todas as noites  e faz tudo juntinhos, isso é mais que um sacrifício. 
         Mais estamos conseguindo sobreviver apesar dos pesares da vida e daqui a exatamente (9 DIAS) ele virá para cá morar comigo !!!! *-* 
Estou completamente ansiosa e com um pouco de medo disso tudo por que nunca confiei tanto em uma pessoa, tenho medo de me decpecionar, mais se não tentar nunca saberei. Então que venha o dia em que irei me jogar em seus braços, sentir seu lábios e tudo mais que há nele... Então pensando nisso tudo encontrei um texto que reflete tudos os meus sentimentos.

Em que esquina a minha vida vai encontrar a sua?

     O calor do seu abraço já tá sumindo de mim. Foi quase ontem, mas parece uma outra vida. Sua voz no telefone não é a mesma. O “eu te amo” na mensagem também não. Nem o e-mail que você me manda contando do seu dia é suficiente para me fazer sentir um pouquinho mais perto. Tudo isso ajuda, mas nunca vai ser um décimo do que eu queria de você comigo. Eu queria poder correr para o seu colo a qualquer hora do dia. Queria receber seu beijo entre uma respiração e outra. Queria entrelaçar nossas mãos quando batesse aquele medo do que os próximos dias reservam para mim.

   Mas a vida nem sempre dá aquilo que a gente deseja. Ou dá – mas não exatamente do modo que imaginamos. E aí eu tenho que respirar fundo e amar de um jeito completamente novo. Eu tenho que engolir a saudade, a falta, a ausência e me encher de lembranças, memórias e recordações. Eu me encho de você em cada hora do dia, em uma mensagem, uma ligação ou uma foto qualquer. Vou me completando com você, pouquinho a pouquinho, como se fosse remédio tomado a conta-gotas, para ver se preencho, com o você que eu guardo aqui dentro, o buraco que você que existe aí do seu lado deixou.

   São só algumas cidades, eu sei, mas parece outro mundo. Eu te falo “até daqui a pouco” com a sensação de que não vou te ver nunca mais na vida. Eu juro que não é só a alma e o coração – meu corpo dói inteirinho. E eu vou te amando em dobro porque é o que me resta. Cada vez que lembro de você, te amo um pouquinho mais. E, quando vejo, tô te amando mais do que eu achava que fosse possível. Talvez, se você estivesse aqui o tempo todo, eu não aprendesse a te amar tanto. Talvez, a gente esteja passando pelo mais difícil agora, logo de cara, para aguentar com mais leveza tudo o que vem pela frente.

   Sua mensagem de boa noite nunca vai ser igual a um beijo de fim de dia. Mas nós vamos levando. Matando a saudade pouquinho a pouquinho, até o próximo abraço. E ficando mais fortes enquanto preenchemos nossas distâncias. Vamos vencendo os quilômetros, os buracos, as saudades e as ausências. E eu vou te amando, um pouquinho mais do que ontem, um montão menos que amanhã. E aprendo. Meu Deus, como eu tenho aprendido. Principalmente, que você pode estar aqui, aí, do outro lado do mundo ou em Marte: te amar é dessas coisas pelas quais eu luto. Muito. Muito.

0 comentários:

Postar um comentário